Precisamos nos permitir viver de forma caórdica – um relato

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Muitas vezes parece que precisamos abdicar de alguma coisa, seja da dedicação aos filhos ou do trabalho que nos realiza. Eu acredito que é possível fazer os dois se estivermos dispostas a pensar em novas formas de criar os filhos e de trabalhar. No fim do texto, compartilho um PDF com algumas dicas para lidar com a produtividade na maternidade.

Compreender o estilo de vida que queremos ter e a forma como queremos criar nossos filhos é essencial para criar um formato de trabalho que se adeque. Afinal de contas, ambos ditam nosso estilo de vida.

Sou mãe do Bento, que tem um ano de idade, e penso muito sobre a forma que quero apresentar o mundo para ele, como estou educando, os ambientes que eu gostaria que ele estivesse inserido e as pessoas com as quais gostaria que ele convivesse.

Sinto a necessidade de ter tempo para mim e para o meu trabalho que tanto amo fazer, sem onerar a criação do meu filho. Não quero terceirizar a educação dele e nem colocá-lo na creche o dia todo. Uma vez que decidi isso, preciso ter a consciência que essas escolhas trazem consequências.

Meu propósito é contribuir para o desenvolvimento de autonomia, a partir da criação de um trabalho com significado, levando em conta um estilo de vida com propósito. Por isso, ajudo mães a conciliarem a maternidade com o trabalho, através de atendimentos individuais e encontros em grupo – como o Impulso Materno, um programa que ajuda mulheres a empreender de forma alinhada ao seu estilo de maternidade.

Em diversas conversas do Impulso Materno, do Mães que Inspiram e das trocas nos grupos de maternidade no Facebook fui colhendo dicas sobre como elas conseguem dar conta de todas as suas responsabilidades no dia a dia levando em consideração a casa, o trabalho, família, filhxs e elas mesmas.

Quando estamos com a cabeça cheia, preocupada com algo ou estressadas, sentimos a necessidade de dar conta de tudo imediatamente e parece que vai virando uma bola de neve. Ficamos sem foco, sem clareza e não sabemos por onde começar. Sinto que vivo um caos organizado.

Como o Dee Hock coloca, precisamos nos permitir viver de forma caórdica. Quando há caos e ordem simultaneamente, na medida certa, a auto-organização ocorre. Os sentimentos que encontramos no caminho caórdico frequentemente são a ansiedade, o medo e a insegurança. Quando reconhecemos estes sentimentos e permitimos que continuemos nesse caminho, impressionantes e imprevisíveis resultados surgem espontaneamente internamente e na interação coletiva. A alegria da descoberta e da criação é uma consequência natural quando temos a coragem de atravessar o caórdico.

Quer ler mais artigos e ter acesso aos meus últimos conteúdos?